header top bar

section content

TJ nega recurso a acusado de invadir casa da ex-companheira e fazer fotos da vítima com outro homem

O acusado ficou furioso, fotografou o casal e enviou a fotografia, via whatsapp, para a namorada do homem que estava com a ex.

Por Luzia de Sousa

14/05/2019 às 12h11

Foto: Arquivo

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento à apelação apresentada pela defesa de Leandro Flávio da Silva. Ele foi condenado pelo crime de violação de domicílio da ex-companheira, com emprego de violência. A relatoria do processo foi do desembargador Arnóbio Alves Teodósio. Acompanharam o voto do relator os desembargadores Ricardo Vital de Almeida (revisor e presidente da Câmara), e João Benedito da Silva.

Consta da denúncia que no dia 9 de junho de 2014, por volta das 0h, o apelante entrou, com emprego de violência, na residência da vítima contra sua vontade. De acordo com os depoimentos de testemunhas, Leandro Flávio viu um carro estacionado em frente à casa da ofendida, momento em que bateu na porta, mas, como ninguém abriu, resolveu arrombá-la, conseguindo adentrar na residência.

Em seguida, ele foi direto para o quarto da vítima, oportunidade em que a encontrou apenas de roupas íntimas com outro homem. Furioso, fotografou o casal e enviou a fotografia, via whatsapp, para a namorada do homem que estava com ela.

A Apelação Criminal atacou a sentença proferida pela juíza Andréa Arcoverde Cavalcanti Vaz, que respondia, à época, pela 2ª Vara da Comarca de Guarabira. O apelante foi condenado nas sanções do artigo 150, §1º, do Código Penal à pena definitiva de seis meses de detenção, em regime aberto, a qual foi substituída por uma restritiva de direitos, consistente na prestação de serviço à comunidade, por um período igual ao da restritiva de liberdade. A juíza, na mesma decisão, absolveu o apelante das imputações do artigo 163, incisos I e III, do Código Penal, com base no artigo 386, VII, do Código de Processo Penal.

O artigo nº 150 diz que entrar ou permanecer, clandestina ou astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou tácita de quem de direito, em casa alheia ou em suas dependências, está sujeito a uma detenção, de seis meses a dois anos, além da pena correspondente à violência. Já o artigo nº 163 do mesmo código se refere a destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia.

Nas razões recursais, a defesa pugnou pela absolvição do réu, sob o argumento de atipicidade da conduta, uma vez que o apelante tinha a chave da residência, bem como pagava o aluguel do imóvel.

A vítima, ouvida apenas em sede policial, afirmou que conviveu com o réu por quase seis anos e estavam separados. Informou, também, que estava na residência com seu novo companheiro, quando o acusado chegou chamando-a e ela não abriu a porta. Disse que Leandro Flávio arrombou a porta e a fotografou com roupas íntimas.

“Restando comprovado que o acusado ingressou no domicílio da vítima, sem o seu consentimento, danificando objetos, bem como agredindo-a, impossível falar em absolvição pelo delito de invasão de domicílio qualificado pelo emprego de violência”, asseverou o relator em seu voto.

O desembargador Arnóbio Alves Teodósio enfatizou, também, que o fato de o apelante ter a chave do imóvel, bem como pagar o aluguel, não lhe dá o direito de adentrá-lo a hora que bem entender, uma vez que o casal estava separado há mais de cinco meses, estando a vítima com um novo relacionamento há um mês. “Ademais, as testemunhas afirmaram que a porta foi arrombada, não estando o apelante na posse de chave alguma no momento de sua prisão. Assim, nego provimento ao apelo”, concluiu.

PORTAL DIÁRIO com STJPB

Recomendado para você pelo google

EXCLUSIVO

Presidente reafirma proibição de arma na assembleia, fala da Operação Calvário e cortes de gabinetes

VÍDEO

Governador João Azevêdo fala sobre o afastamento político com Ricardo Coutinho e mudanças no Governo

TRAGÉDIA

VÍDEO E FOTOS: Delegado dá detalhes do grave acidente próximo a parque de vaquejada em Cajazeiras

ESPERANÇA

VÍDEO: Presidente da OAB declara que luta pela permanência da Vara do Trabalho de Cajazeiras não acabou