header top bar

section content

VÍDEO: Profissional da área de psicologia pedagógica fala sobre medo dos alunos de fazer a prova do Enem

Jossean Coutinho, afirma que a decisão de fazer ou não as provas é bastante complicado, pois houve toda uma preparação e expectativa dos alunos de entrar na universidade, porém devemos cuidar da própria saúde e bem estar.

Por Juliana Santos

11/01/2021 às 15h48 • atualizado em 11/01/2021 às 16h51

As provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) serão aplicadas a versão impressa nos dias 17 e 24 de janeiro e a versão digital, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro em todo o país. No cronograma antigo, versão digital seria em 22 e 29 de novembro e a prova tradicional estava prevista para 1º e 8 de novembro do ano passado, mas o Exame foi adiado devido a pandemia da Covid-19, por medidas de segurança para tentar diminuir a nível de transmissibilidade do vírus.

Houve um debate sobre a questão do medo de fazer a prova presencial, devido a transmissão da doença e também da desigualdade na preparação dos alunos para a realização das provas, pois as unidade de ensino ficarem fechadas por um período e depois houve o retorno das aulas de forma remota. Muito alunos das escolas públicas não conseguiram estudar adequadamente por não ter condições de ter internet em casa.

VEJA TAMBÉM

Enem terá regras para evitar contágio pelo novo coronavírus

O assunto foi debatido na TV Diário do Sertão, no programa Balanço Diário, pelo Neuropsicopedagogo, Jossean Coutinho. De acordo com o profissional é normal que os alunos estejam confusos diante da circunstâncias apresentadas. “Também é normal que alguns optem por não ir, por ter medo, por estar mais ansioso, por achar que não está preparado”, comentou.

Por não se ter a garantia de que a realização do Exame neste período pandêmico dará certo, para o Jossean, seria melhor cancelar a prova. “Apesar de todo treinamento com a equipe que aplicará a prova, todas as medidas de distanciamento e orientação de uso de máscara e higiene do local, sabemos que não será suficiente”, detalhou.

O Neuropsicopedagogo, afirmou ainda que a decisão de fazer ou não as provas é bastante complicado, pois houve toda uma preparação e expectativa dos alunos de entrar na universidade, porém antes disso se deve ter o cuidado com a própria saúde e bem estar.

O profissional destacou também a campanha ‘Janeiro Branco’ que é voltada para trabalhar a saúde mental e o bem estar dos alunos.

A Defensoria Pública da União e do Ministério Público Federal (MPF) pediram à Justiça Federal de São Paulo na última sexta-feira (8), pelo adiamento do Enem em função do avanço da pandemia, porém Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) defendeu a manutenção do calendário atual. Nos dias 17 e 24 de janeiro mais de 5,7 milhões devem fazer as provas.

As provas serão aplicadas a versão impressa nos dias 17 e 24 de janeiro e a versão digital, nos dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro. (Foto: Ilustrativa)

PORTAL DIÁRIO

EXPLICAÇÃO

VÍDEO: Neurocientista fala da importância de todos serem imunizados contra a Covid-19

ALERTA

VÍDEO: Na Paraíba, publicitário faz alerta para novo golpe que envolve vendas em site na internet

PERSEVERANTE

VÍDEO: “Nunca é tarde para ter um bom futuro” afirma idoso de 61 anos que fez a prova do ENEM

CORONAVÍRUS

VÍDEO: Ministro da Saúde diz que a segunda onda vai gerar mais mortes e alerta sobre nova cepa

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!