header top bar

section content

Cientistas descobrem 4 novas espécies de peixes no arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha

De acordo com os pesquisadores, a expedição encontrou também outras 15 espécies na região pela primeira vez. O estudo e os resultados da expedição foram publicados na última edição da revista científica Neotropical Ichthyology.

Por Juliana Santos

10/01/2021 às 12h39

O peixe-pedra é venenoso e foi uma das descobertas em Fernando de Noronha – Luiz A. Rocha/Fundação Grupo O Boticário

Cientistas brasileiros e norte-americanos descobriram, em uma expedição marítima feita no arquipélago pernambucano de Fernando de Noronha, quatro novas espécies de peixes que vivem exclusivamente no litoral brasileiro.

De acordo com os pesquisadores, a expedição encontrou também outras 15 espécies na região pela primeira vez. O estudo e os resultados da expedição foram publicados na última edição da revista científica Neotropical Ichthyology.

Uma das quatro espécies descobertas é o peixe-pedra (Scorpaena sp.), espécie venenosa que fica camuflada em recifes, de forma a se esconder de seus predadores. Uma outra espécie descoberta é o chamado peixe-lagarto (Synodus sp.), que também se camufla, mas nesse caso como estratégia para não ser percebido por peixes de menores porte e fazer deles seu alimento.

VEJA TAMBÉM

352 cantores executam o Hallelujah de Handel em um coro espetacular graças a tecnologia

A expedição descobriu também uma espécie chamada peixe-afrodite (Tosanoides sp.). Este é o segundo do gênero descoberto no Oceano Atlântico. De acordo com os pesquisadores, o primeiro foi encontrado no Arquipélago de São Pedro e São Paulo em 2018.

A quarta nova espécie descoberta foi o peixe gobídeo (Psilotris sp.), um gênero classificado como “raro”. Eles são de pequeno porte e tem como fonte de alimentação microrganismos, zooplanctons e microinvertebrados.

A pesquisa, liderada pela Associação Ambiental Voz da Natureza, foi dividida em duas etapas. A primeira, com duração de 17 dias, consistiu na exploração em águas profundas. A segunda durou mais de um ano, e foi dedicada à taxonomia das espécies, comparando características morfológicas com centenas de outros peixes para comprovar se tratar de animais inéditos para a ciência.

PORTAL DIÁRIO com Agência Brasil

COVID-19

VÍDEO: Médico ginecologista é o primeiro profissional de saúde a receber vacina em São José de Piranhas

EXPLICAÇÃO

VÍDEO: Neurocientista fala da importância de todos serem imunizados contra a Covid-19

ALERTA

VÍDEO: Na Paraíba, publicitário faz alerta para novo golpe que envolve vendas em site na internet

PERSEVERANTE

VÍDEO: “Nunca é tarde para ter um bom futuro” afirma idoso de 61 anos que fez a prova do ENEM

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!