header top bar

section content

Jeová Campos critica possível privatização dos serviços de tratamento de água e esgoto no Brasil

De acordo com o parlamentar cajazeirense, a medida vai dificultar o acesso universal da população aos serviços de tratamento de água e esgoto

Por José Dias Neto

26/06/2020 às 12h01

Aviso de manutenção da CAGEPA

O deputado estadual Jeová Campos (PSB), presidente da Frente Parlamentar da Água e da Agricultura Familiar da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) disse que o novo marco legal do saneamento básico no Brasil abre espaço para a privatização dos serviços de tratamento de água e esgoto no país.

De acordo com o parlamentar, a medida vai dificultar o acesso universal da população aos serviços de tratamento de água e esgoto.

VEJA MAIS:

Jeová Campos comemora autorização para início da pavimentação asfáltica da estrada de Boqueirão

“Água não é uma mercadoria, embora a população pague para utilizá-la. Ela é um bem essencial, um direito da população. Privatizar as empresas públicas de tratamento de água e esgoto no Brasil não vai resolver o problema do saneamento básico no país. Vai tornar a água e o serviço mais caros, além de disponibilizar um bem imensurável ao capital especulativo”, disse o parlamentar.

Deputado estadual Jeová Campos (PSB)

Durante sessão remota da ALPB, Jeová comentou sobre o Projeto de Lei (PL) 4162/2019 que trata sobre o novo marco legal do saneamento no Brasil. O PL, aprovado por 65 votos contra 13, veio da Câmara dos Deputados e recebeu, no Senado, mais de 80 emendas, mas nenhuma delas foi acatada por seu relator, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Apenas o Partido dos Trabalhadores orientou o voto contrário ao projeto. As demais legendas liberaram suas bancadas.

“Uma matéria como essa tão importante para a sociedade brasileira, especialmente os mais humildes, inclusive para a soberania nacional, precisaria ser melhor debatida”, reitera o parlamentar paraibano.

O senador Rogério Carvalho (SE), líder do PT no Senado, apresentou questão de ordem logo após a leitura do relatório e defendeu que matéria tão importante para a saúde da população deveria ser melhor debatida, inclusive à luz do Brasil que surgirá após a pandemia da Covid-19. A votação registrou 61 votos contra a questão de ordem.

“Sou a favor de um marco regulatório do saneamento e não me oponho ao investimento privado na área que é, inclusive, já utilizado. Mas a nossa avaliação é de que este debate deveria ocorrer mais à frente, no pós-pandemia, quando se apresentaria o cenário claro de que marco regulatório nós vamos precisar para garantir que teremos a universalização do saneamento básico”, alertou o senador sergipano.

PORTAL DIÁRIO

MISSÃO

VÍDEO: Missionária da comunidade Boa Nova comemora três anos da casa de acolhimento em Cajazeiras

ESPETÁCULO DA NATUREZA

VÍDEO: Por do sol de Monte Horebe chama atenção de internautas e vídeo bomba nas rede sociais

SÃO PAULO

VÍDEO: Jornalista fala sobre as eleições da maior metrópole da América Latina

COVID-19

VÍDEO: Médico fala sobre a vacina contra o Coronavírus e explica como será sua eficácia

Recomendado pelo Google:
error: Alerta: Conteudo Protegido !!